Timelei - Porque acreditamos em sexo à primeira vista!
Cheque especial é o ópio do povo.  
 • Destaques
 • Plantão
 • Top10
 • Imagens
 • Blog

  Guru:
 • Mahatma Melei


  Esportes:
 • Enfiando a Bola



 • Newsletter
 • Anuncie
 • Fale Conosco

 • Timelei em RSS




 • Home
 • Destaques
 • Plantão
 • Top 10
 • Imagens
 • Mahatma Melei
 • Esportes
 • Blog

 • Newsletter

 • Anuncie

 • Fale Conosco


O futuro é agora


Chique é ser rico!



 •  junho 2006
 •  maio 2006
 •  abril 2006
 •  março 2006
 •  fevereiro 2006
 •  outubro 2005
 •  setembro 2005
 •  julho 2005
 •  junho 2005
 •  maio 2005
 •  abril 2005
 •  março 2005
 •  fevereiro 2005
 •  janeiro 2005
 •  dezembro 2004
 •  novembro 2004
 •  outubro 2004
 •  setembro 2004
 •  agosto 2004
 •  julho 2004
 •  junho 2004
 •  maio 2004
 •  abril 2004



 



O dia-a-dia de quem acredita em sexo à primeira vista.

Devaneios, contos, observações, notícias, masturbação mental, chutes, cultura inútil, inutilidade útil. A vida em dose dupla, sem gelo, sem mentira, sem viadagem.


 


29.09.05

Welcome to the Fight Club


Aproveitando que estamos em ritmo de cinema, tem uma cena do clássico “Clube da Luta” que sempre me vem à cabeça quando tenho vontade de bater em alguém. É aquela onde o Tyler Durden (Brad Pitt) pergunta ao personagem do Edward Norton com qual personalidade histórica ele gostaria de lutar.

Minha lista tem algumas personalidades nem tão históricas já escolhidas e catalogadas por ramo de atividade. Na televisão aberta, por exemplo, nada como começar pelo João Kléber (pelo conjunto da obra), passando pelo Paulo Vilhena (não tenho motivos racionais, o cara simplesmente me irrita) até chegar na Hebe Camargo (deve existir algum jeito de desmanchar aquele cabelo cheio de laquê).

Mas, para o seu bem, esqueça que leu esse post. É o que diz a regra número 1. E a número 2 também.




:: Permalink ::



28.09.05

Dicas de cinema para quem não usa óculos de armação quadrada


Época de Festival de Cinema no Rio de Janeiro é sempre assim. Todo mundo começa a fingir que nunca gostou de Sessão da Tarde e cresceu vendo filmes europeus existencialistas.

Eu sou a favor da diversidade e da liberdade de expressão. Liberdade, inclusive, de manter alguns preconceitos cinematográficos de estimação.

Filme argentino? Acho legal desde que não tenha o Maradona no meio. Alguém já viu aquele programa dele, o “Noche do 10”? É muito chato. Parece um “Domingo Legal” onde a única atração é a esperança de ver o apresentador ter uma crise de abstinência ao vivo.

Filme europeu? Alguns são bons e outros são ruins, mas a parte realmente legal é que em 99,7% deles aparece alguma sacanagem. Sendo que putaria européia é mais estilosa do que a americana. E tem bem menos silicone.

Filmes japoneses, coreanos e chineses? São sempre legais de ver. Muitos porque são bizarros, outros porque são toscos e alguns porque são bons mesmo. Além disso, é engraçado imaginar que a legenda pode estar totalmente errada e você vai passar a vida inteira sem saber disso.

Filmes iranianos e indianos? Pode ser que tenham alguns legais, mas em geral são um saco. No lugar dessas películas para boi dormir, sugiro algumas retrospectivas sensacionais apresentando todos os clássicos da série “Desejo de Matar” e “American Ninja”, assim como os filmes mais antigos dos Trapalhões e do Bud Spencer.

Filmes de temática gay? Esses podem ser feitos em qualquer país, mas em geral são europeus ou latinos mesmo. Sinceramente eu não tenho muita paciência para esses diretores que fazem questão de expressar tudo que sofreram antes de sair do armário. É travesti para cá, hermafrodita para lá e ré no quibe para tudo quanto é lado. Mas tem gente que gosta e acha que basta colocar um viado no meio para ser igual ao Almodóvar.




:: Permalink ::



23.09.05

Como ser produtivo enrolando no trabalho


Dois colegas de trabalho se encontram na frente da máquina de café.

- Cara, eu tenho que começar a fumar.

- Como assim?

- Este é o quarto capuccino de hoje. Eu sempre tomo um quando fico sem idéia do que fazer para continuar dando uma enrolada no serviço.

- Entendo. Trabalhar de verdade oito horas por dia é impossível.

- É o que eu digo! Tirando dormir, não existe nada que o ser humano faça de forma natural por oito horas seguidas.

- Concordo.

- Mas se continuar assim eu vou ter uma overdose de cafeína. Por isso acho que é hora de dar uma folga para o meu estômago e atacar o pulmão.

- Não sei. Acho que existem outras maneiras de contornar o problema.

- Se você me disser uma eu agradeço. Já utilizei todos os recursos que conheço aqui no trabalho. Só falta tentar o mesmo que faço para passar o tempo quando estou em casa, mas sinceramente acho que a política da empresa é contra roer as unhas ou bater punheta durante o serviço.

- Você precisa estudar alguns cases de sucesso. Conhece o Anderson Gurgel?

- Aquele gordo do marketing que fez cirurgia de redução do estômago e ficou fininho?

- Esse mesmo. Acontece que ele não fez cirurgia. Na verdade o cara emagreceu só com dieta, mas contou para o chefe que operou o estômago.

- E daí?

- Agora vem a parte genial da história. Ele inventou que precisa tomar cinco litros de água diariamente por ordens médicas, só que tem que ser naquele copinho pequeno de café, porque o estômago reduzido não agüenta mais do que aquela quantidade por vez...

- Então ele tem que beber água quase que o tempo todo!

- E a máquina de água fica do outro lado do andar, colada na mesa daquela secretária gostosa.

- Profissional é profissional.

- Quando fica mais de dez minutos sentado, é o próprio chefe dele que o lembra de ir beber água.

- Vou pedir um autógrafo para ele depois. Mas antes deixa eu descer para comprar meu primeiro maço de cigarros.

- Cara, se você vai fazer isso, pelo menos faça direito. Compra cigarro avulso, três de cada vez, porque assim acaba mais rápido e você tem que sair mais vezes do prédio.

- Boa.

- E finja que você só gosta de cigarro aceso com fósforos. Uma caixa de fósforos acaba mais rápido que um isqueiro, e com isso você tem que ir na rua mais vezes para comprar.

- Sensacional. Acho que vou acender cada cigarro com dois fósforos para a caixa acabar mais rápido.

- Agora você entendeu. É a atenção nos detalhes que faz a diferença num profissional de sucesso.




:: Permalink ::



21.09.05

Político também tem mãe


Sei que essa afirmativa pode chocar muita gente, mas não temos como negar a realidade. Quer dizer, tem gente que consegue, como o David Blaine levitando ou o Maluf dizendo que não sabe de dinheiro nenhum no exterior, mas isso é uma habilidade rara. Enfim, para a maior parte a humanidade a verdade continua única: se o parasita está lá roubando em Brasília é porque alguém teve a infeliz idéia de coloca-lo no mundo.

Não estou culpando as mães. Longe de mim. Todo homem sabe que a própria mãe é a única mulher realmente digna de confiança no mundo. Quer dizer, existem exceções, principalmente se você se chama Norman Bates e tem paixão por facas. Mas, novamente, para a maior parte da humanidade, a inocência materna continua válida.

Quando o bebê nasce rosadinho e chorando, ninguém tem como prever que no futuro ele vá continuar engatinhando atrás de qualquer bocada. O fato de um moleque convencer outro a trocar o pacote de biscoitos recheados de chocolate por metade de uma mariola já mordida não significa o nascimento de um corrupto mirim. Pelo contrário. Talvez no futuro ele se torne um grande publicitário e encha de orgulho a mamãe.

Mas se não sabemos como surgem os corruptos, ao menos podemos nos perguntar qual é a reação de uma mãe ao descobrir pela TV que seu filhinho querido é um ladrão desgraçado. Evito colocar a mão no fogo para não morder a língua - e acabar usando um terceiro clichê só para amenizar o fato de que não faço idéia da resposta para a pergunta que acabei de fazer, mas no caso específico da minha mãe acho que seria mais ou menos assim:

- Esse moleque ganha 10 milhões de dólares por negociata e tem a coragem de me dar uma porcaria de DVD no Natal?!




:: Permalink ::



13.09.05

E quem precisa de coerência?


And now, for something completely different...

Aguarde e confie, baby.




:: Permalink ::