Esta página deveria conter um destaque relevante e/ou interessante, mas parece que nenhum timelei teve tempo para escrever um. Estávamos todos ocupados trabalhando no júri de Miss Baranga Jaruperaí 2002.

Enquanto isso, para não deixá-lo na mão, fizemos esse incrível debate onde os seus destemidos timeleis opinaram sobre o ato de polir a vara, o auto-amor, o descabelar do palhaço, ou como quer que você goste de chamar a masturbação, esse assunto tenso, trepidante e esporrante do dia-a-dia de quem acredita em sexo à primeira vista.

Erik Nako, redator e galã.
"Existem algumas coisas na vida de um homem que são insubstituíveis. Mesmo que você seja um desses afegãos que tem um harém de 37 mulheres e meia (em 37, tem que ter pelo menos uma que é anã). Podem apotar que além das 5 rezas que eles têm de fazer por dia, sempre deve ter um hora em que todos somem misteriosamente para dar um pulo na casinha de necessidades. Aliás, não é a toa que o banheiro é um lugar para necessidades físicas.

Se alguém encontrar um cara com os dois braços iguais, não posso nem falar que é gay, pois, infelizmente, imagino que os gays também devem bater a sua."

Bruno Pinotti, diagramador e desenhista contrariado.
"Considero a masturbação um ato da natureza vil do ser humano, um genocídio prazeroso onde inúmeros de futuros seres completos morrem procurando sua cara-metade num mármore frio e inóspito. Considero um bruto desperdício de sêmen e uma enorme colaboração para o aumento da população de baratas. Enfim, creio que minha humilde opinião seja esta. SERÁ QUE AGORA EU POSSO VOLTAR A DESENHAR, PORRA?!"

Claudio Formiga, artrópode e colunista.
"Sempre escuto das mulheres: "Porque meu namorado se masturba? Eu dou quando ele quer, do jeito que ele quer, fico muda, grito como uma louca, arranco os cabelos e mesmo assim ele se tranca no banheiro e manda uma". As meninas devem compreender que o sexo não anula a masturbação.

O auto-amor, assim como a esperança, são os últimos a morrer. O rapaz pode estar traçando a Scheila Carvalho que se aparecer uma baranguinha tanajura com uma saia curta, ele vai descascar a banana."

Toscolino, barangueiro mascarado e destemido.
"Acho a masturbação uma prática vital, assim como comer, respirar e barangar. E todo macho, peludo e varão deve aperfeiçoar a técnica a cada momento. É mole bater uma pensando em beldades como Fernanda lima e Mel Lisboa. Mas todo macho deve, pelo menos uma vez na vida, mandar uma pensando na Hebe ou na Dercy Gonçalves para provar que é homem mesmo."

Marcelo Holanda, redator importado e zoófilo amador.
"Punheta é algo que o homem não consegue viver sem. Nós produzimos milhões de espermatozóides por dia. Se não existir um modo de expulsá-los, podemos acabar virando tarados, nos transformando naqueles poodles que ficam agarrados nas pernas das pessoas.

Sem bater uma, o nervosismo sobe a cabeça (nas duas). Por isso, mulheres, da próxima vez que algum homem estiver demorando muito no banho, lembre-se que ele está apenas liberando a sua tesão, digo, tensão."

Mahatma Melei, fundador e guru espiritual do TIMELEI.COM
"Todos falam dela mas esquecem da grande função social que a punheta desempenha no mundo. A manutenção da paz e de toda a sociedade moderna não seria possível sem esse sacrifício humanitário e solitário.

Sem dúvida nenhuma, se todos os terroristas vingativos demorassem um pouco mais no banho, esse ódio mortal que cresce de dentro para fora poderia decorar os azulejos sem causar nenhuma vítima fatal."

Felipe Jabá, redator e dono de 2 bonecas infláveis.
"O que? Não, eu não faço isso não. Eu tenho medo de ter caspa nas mãos."

Pedro Prado, repórter investigativo e intrometido.
"Todos os dias minha mãe repetia que eu poderia ficar cego fazendo isso. Como sou sagaz e precavido, sempre me utilizo de óculos escuros na hora da covardia diária. Mas graças a Deus, Ele me deu esse rostinho lindo e não tenho muitos problemas em arrumar garotas."