Sem a menor sombra de dúvida ou bala perdida, a melhor maneira de fugir da violência é se disfarçar de bandido. Mas isso não quer dizer que seja necessário roubar sua avó, matar os seus pais na base da porrada ou estrelar algum filme com "Deus" no nome. Basta seguir algumas regras básicas e você logo estará tirando onda, dando tapa na cara e o escambal, praybói.

Não dê mole para mané

Parecer um bandido não evita que você seja roubado por outro "colega de profissão".

A solução é implanar um aparelho de choque em sua carteira e surpreender o larápio desprevenido!
 
A.R. Express - Não saia de casa sem ele!

Não esqueça do trabuco quando for andar até a padaria.

Para começar, recomendamos um fuzil ou uma bazuca. Coisas básicas do dia-a-dia carioca.

As pistolas e metralhadoras menores você pode deixar para ocasiões mais íntimas como um jantar com a namorada.
 
Pimenta nos olhos de trombadinha é refresco

Se você é maluco o suficiente para andar de carro pelas ruas do Rio, nunca esqueça do kit básico anti-furto.

Colar um adesivo do CV, Terceiro Comando ou PCC no vidro é recomendável para viagens longas.

Spray de pimenta para borrifar nos malabaristas de bolas de tênis que povoam os sinais também é uma boa pedida.

 
Sempre leve seus amigos quando for ao banco

Ir ao banco é sempre chato e perigoso. Uma boa solução de unir o útil ao agradável é levar seus amigos juntos.

Mas não adianta andar com aqueles mariquinhas do seu prédio. Você deve ter comparsas mau encarados e com apelidos maneiros como o seu. Afinal, não basta se chamar Marcelo Capeta. Impõe muito mais respeito ser o Marcelo Capeta, amigo do João Doidão e Dézinho Cospe-Bala.
 
Tenha muitos celulares

Pegue emprestado celulares de seus amigos, compre alguns de plástico na Uruguaiana ou aproveite a promoção da Casa e Vídeo.

Quantos mais você tiver, mais onda vai tirar com a galera do "movimento" e maiores as possibilidades de ter suas ligações grampeadas por alguma delegada gostosa.
 
Publicidade é importante

Tenha um baraco-quartel-general em alguma favela da moda e feche o comércio de vez em quando.

Comece ameaçando o camelô da sua rua e você rapidamente conseguirá vôos mais altos. Logo estará decretando feriado na cidade toda e gerando vários empregos para as Forças Armadas.
Seja fluente no bandidês

É preciso mudar essa sua linguagem de playboy, amigo. Para começar, não é Playboy, é prayboy.

No bandidês deve-se trocar o "L" pelo "R". Termos como "os irmão do movimento", "esquentou geral", "Ó us alemão!" devem ser usados em profusão.

Mas não conte para os outros que você sabe o significado de profusão.
 
Pense duas vezes antes de ajudar uma velhinha

Não seja otário, rapaz!

Com você disfarçado de bandido, os verdadeiros meliantes estão disfarçados de quê?