Futebol no Brasil é uma coisa muito séria. Exceto no Rio de Janeiro, onde a toscaria divide espaço nos gramados com craques do quilate de um Fabio Baiano e um Camacho. Por isso mesmo, o Timelei só poderia fazer uma matéria sobre o futebol carioca, o único do mundo esportivo que segue o ditado "Em terra de barrigudos quem tem um suspensório é rei".

CLODOALDO

Desempregado desde o fim do programa "Turma da Xuxa", Clodoaldo amargou um longo período de esquecimento até que, finalmente, sua empresária Marlene Mattos arrumou um "bico" de jogador de futebol no nordeste para o infeliz rapaz.

Lá o baixinho arrebentou, lembrando as peripécias dos tempos em que divida o palco com o Dengue e as Paquitas. Hoje em dia atende pela alcunha de "Clodoaldo, o matador".
 

BOBÔ

Para dirigir um time tosco, só sendo tão tosco ou pior. Portanto, ninguém mais capacitado para dirigir um time carioca do que Bobô. Afinal, tudo que o separa da famosa delícia baiana "bobó de camarão" é apenas um acento agudo.

Um dos grandes ídolos do Bahia, ele hoje tem uma carreira de sucesso como técnico de futebol. Poderia ser a grande contratação do Flamengo, já que com Fernando "Baiano", Fábio "Baiano" e André "Bahia" teria a mão-de-obra ideal para implementar o seu futebol-dendê.

 
SCHUMACHER

Schumacher, o alemão mais apressado do mundo, seria uma contratação perfeita para o futebol carioca. Sabemos que o queixudo levou uma caneta de Róbson Arantes do Nascimento, o Robinho, mas qual dos jogadores do Rio não seria entortado pelo serelepe atacante do Santos?

Apesar de não ter mostrado um bom entrosamento com a equipe, o míssil alemão acabou marcando um gol, fazendo grandes tabelas e levou 30 mil pessoas à Vila Belmiro. E isso já é bem mais do que Fernando Baiano do Flamengo ou Valdir do Vasco fizeram desde o início do ano.

Essa sugestão só não serve para o Botafogo, já que Schummi só joga em time de elite. Sempre comendo o melhor Chucrute que a fama e o sucesso podem oferecer. Sinceramente, essa coisa de Segundona é mais para o Robinho, quer dizer, o Rubinho.

 
NETO

O que podemos falar sobre o Neto? Sim, ele é tosco e trash, lixão mesmo. Mas ainda assim é um exemplo para os jogadores cariocas de várias formas, pois sabe combinar toscaria com arte.

O rotundo ex-craque foi o criador da esquecida técnica de marcar gol de bico em uma cobrança de escanteio. Foi esse famoso carregador de pochete que ensinou Renato Gaúcho a usar a pança de chopp em prol do futebol. Além disso, ele poderia mostrar a alguns jogadores cariocas como a dependência e o uso de drogas podem acabar com a carreira de um atleta.

Afinal, ele próprio teve a carreira abreviada devido ao seu vício em coxinhas de galinha e provolones à milanesa. Mas graças a Deus, hoje Neto é um homem reabilitado e passa a maior parte do seu tempo salvando famílias de enchentes na cidade de Campinas.
 
SERJÃO

Sabem quem Higuita, Jorge Campos e Taffarel têm como ídolo? O lendário goleiro Serjão, a muralha do time do ARUC.


A explicação é simples, o Serjão faz todas as merdas que eles três fazem juntos, só que com 92 quilos a mais. E apesar do futebol carioca não estar tão mal de goleiros, o "Orca Negra" seria um grande reforço.

Afinal, ele poderia muito bem ser o goleiro reserva e o nutricionista da equipe. Tutu à Mineira, Rabada, Mocotó e um caldinho de cana seria a dieta responsável por levar o time a um outro nível de preparação física e taxa de colesterol.